domingo, 12 de agosto de 2007

Porque esse é um dos poucos que eu adoro

TRADUZIR-SE

Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta:
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte;
linguagem.

Traduzir-se uma parte
na outra parte
- que é uma questão
de vida ou morte -
será arte?


Ferreira Gullar

3 comentários:

Erika disse...

Traduzir-se sempre é metódico e espetacular.

Ferreira Goulart é ótimo.

Beijo

Flávia disse...

Amigalhes!!

Menina, eu amo esse poema... amo, amo, amo. Ferreira Gullar é hours concours...

Adorei a escolha. Aplausos de pé.

Beijos!

Thiago Lira disse...

Um parte de mim vai passar aqui sempre.
A outra vai fazer coisas que não valem tanto a pena.